Porque nos acomodamos?



No dicionário a palavra acomodar significa: Adaptar, fazer cessar o que incomoda, aquietar, restabelecer a ordem, a harmonia, conformar-se.

Acomodar pode ser algo ruim ou algo bom, dependendo do contexto e das consequências que estão trazendo. Antes de falarmos um pouco sobre essas consequências, vamos verificar como o nosso cérebro funciona.


Entendendo como o cérebro funciona.


Nascemos com muitos neurônios e com o passar dos anos, vamos perdendo alguns, mas não precisa ficar em desespero, pois durante a vida, as pessoas criam novas conexões neurais ou, pelo menos, tem a capacidade de assim fazer. Cria novas sinapses, novas redes neurais provenientes de experiências e situações. Já os sistemas neurais pouco usados encolhem, desaparecem ou são adaptados para outras finalidades.

Para entender melhor, pense no seu cérebro como se fossem músculos. Se são usados e estimulados desenvolvem-se e crescem, se não são, você já sabe o que acontece.

Com o cérebro, acontece parecido. Ao parar de ser utilizado, não há novas conexões neurais, não há novas sinapses, ou novas experiências.

O que acontece em termos práticos no seu dia a dia é que a mente fica presa em uma rotina, sem ânimo para desenvolver-se, ou querer novas situações, riscos, desafios e experiências. Torna-se uma mente aprisionada na preguiça.


Agora voltemos um pouco a respeito do que significa ser acomodado.

Uma pessoa acomodada é aquela que está acostumada a ter um certo tipo de consequência do seu comportamento e não espera mais. Ou seja, está adaptada ao que está acontecendo, independentemente se é bom ou ruim.


Você já ouviu falar no livro: “ Quem mexeu no meu queijo?”


O livro gira em torno de quatro personagens: Hem e Haw, que são duendes, e Sniff e Scurry, que são ratinhos. Todos eles querem a mesma coisa, encontrar queijo dentro de um labirinto. Todos os dias, Hem, Haw, Sniff e Scurry saíam e iam até o labirinto em busca de queijo. Os ratos, por possuírem um cérebro mais simples, usavam o método da tentativa e erro. Já os duendes, por possuírem habilidades de raciocínio mais avançadas, usavam métodos mais sofisticados.

Um dia, todos eles encontraram queijo em determinada região do labirinto e se acostumaram a ir até lá todos os dias para comer. Quando o queijo acabou, sem pestanejar os ratos partiram em busca de novas áreas do labirinto, pois já estavam cientes de que em algum momento isso aconteceria. Já os homenzinhos não aceitaram a novidade com tanta naturalidade e ficaram revoltados, reclamando sem parar, afinal, não achavam justo que o queijo que eles se esforçaram tanto para encontrar simplesmente acabasse, e ficaram gastando energia, esperando que o queijo voltasse de uma maneira ou outra, pois não queriam sair de lá para procurar mais queijo.

Em resumo, o que a história conta é que a partir da mudança das circunstâncias externas, existem dois tipos de respostas:

– Ficar acomodado, às vezes triste e às vezes raivoso, e permanece no mesmo lugar, fazendo a mesma coisa, esperando que milagrosamente as coisas mudem.

– Entender que a situação mudou, ou que há possibilidades melhores, e sai em busca de mudanças.


Se eu fizer a pergunta para você: Qual dos dois caminhos você prefere seguir? Claro que responderia, o caminho da mudança. Mas, se eu perguntar: Qual dos dois caminhos você está seguindo? Agora fica um pouco mais complicado.


Essa pergunta pode ser feita em sentido bem amplo, tanto na sua vida particular, quanto na sua vida profissional.

Como consultora, você pode pode ter aprendido tudo sobre a sua área e pode até dominá-la muito bem, ter uma boa experiência, mas entenda, se você não continuar no caminho da procura por novas formas de agir e aprendizados dentro da sua área, você pode estar acomodada e mais cedo ou tarde, poderá ter resultados indesejados.


Vou contar um segredo, a dica para o sucesso e para que sua vida seja diferente, não depende dos outros, depende de você, escolha VOCÊ sair do lugar e fazer a diferença, busque sempre aprimorar-se e ser melhor do que ontem.


Contem conosco para isso!


14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo